Cultura

12 Nov 2020

Revolta de Ribeirão Manuel liderado por Nhanha Bombolom aconteceu há 110 anos

 


A Revolta de Ribeirão Manuel (concelho de Santa Catarina de Santiago) é dos acontecimentos históricos que marcaram a luta e coragem do povo em busca de igualdade social e uma das mais emblemáticas dos homens e mulheres do campo em Cabo Verde. Esta revolta popular, iniciou no dia 12 novembro de 1910, teve participação ativa de mulheres. Liderada por Ana da Veiga, conhecido por Nhanha Bombolom.

Na época, a posse e exploração das terras estava nas mãos de poucos proprietários - os morgados. Estes davam emprestados para as famílias (povo) parcelas de terras para exploração agrícola e pastoril, mediante pagamento de rendas. A extrema exploração económica dos morgados sobre os rendeiros culminou com a revolta popular.

Os rendeiros, sentiam explorados pelos proprietários em negociações injustas, recusaram pagar as rendas e passaram a colher ilegalmente os frutos da purgueira, que na altura alimentava as indústrias europeias de saboaria. Após queixa de um morgado, levou a intervenção das tropas da cavalaria, que aprisionou um grupo de mulheres. Aqui entra a figura de Nhanha Bomgolom, que organizou e liderou um grupo de pessoas, "Omi pedra, mudjer matchado, mininus tudu ta djunta pedra" (os homens com pedras e mulheres com machados e os meninos todos a ajuntar pedras), sob lema" Aqui não há negro, não há branco, não há rico, não há pobre... somos todos iguais!" e marcharam em direção a cadeia, que foram abertas, diante da determinação dos populares.

Para perpetuar a memória histórica, foi erguido um monumento na praça central da localidade Ribeirão Manuel.

O momento foi popularizado em música por Orlando Pantera com a composição "Raboita di Rubon Manel". A Lura também interpretou no seu álbum "Di Korpu Ku Alma" (2004).

Letra da música de Orlando Pantera:
Na 1910 mosinhus
Raboita di Rubon Manel
Djes leba nhos mudjei, djes prendi nha guenti
Pamo kel um dôs gran di purga

Eh eh eh forti duedo na mundo
Eh forti passa mal tamanhu
Xila di Pala ka meresi ba kadia
Nhanha Bombolom ka mereci ba kadia
Maridus tudo dizorientadu
Pamo mudjeres sta fitchadu

Djes perdi tinu es ca sabi undi es ta bai
Nhanha Bombolom mixa bragero na boca
Soldado tranka pe na pedra da totis na tchon
Nha guenti djes kori es bai ses kaminhu

Djes manda tchoma Padri Duarte
Kela go nada ver ca tem
Djes fazi diskursu bunitu
Ma li na tchon ki nu sta

Publicidade


Siga-nos no Instagram em @cvcultural


Publicidade




Publicidade